quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Um dia de cão

O ônibus quebrou de novo... Olho para o alto, é tanta ladeira... Dá uma preguiça... Me arranjo ali no meio-fio... Descalço os sapatos... E olho o mato que cresce... Tão teimoso quanto a gente... É tanto murro em ponta de faca... Às vezes bate até um desânimo... Paro por um momento... Respiro bem fundo... Engulo o lamento... Sigo devagar... Sempre em frente... No meu tempo... A vida tem que continuar 

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

O cuidado aos nossos

Não, por favor, não agora... Ainda não estou preparado para cuidar de você... Ainda não é chegada a hora... No meu desespero, eu esqueço... Essa não é uma escolha... Minha nem sua... É apenas um fato... Uma verdade... Cada vez mais precisas da minha ajuda... E eu ainda preciso da sua... Ainda preciso do abrigo da tua mão... Mas o tempo passa... E eu te cuido... E ainda espero o seu cuidado... Ainda me afago nas suas frases que não me dizem muito... Mas me abraçam pela simples certeza de ser ouvida... Pela certeza do amor sincero.... Você não me entende... Você não diz as coisas que eu preciso ouvir... Mas você é real... É o que é... E isso vale muito em dias como os nossos... Nós não nos entendemos... Nem sequer sabemos por onde começamos... Mas há tanta verdade em você... Eu te amo!

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

O pranto dos justos

Chora o pranto dos justos... Deixa cair a dor de tudo... A dor desse tempo maluco, que coleciona sofrimentos... Chora porque há no peito um coração que cansa... Chora essa desesperança... Chora os vínculos que desatam lentamente... É sabido por todo mundo... Há o tempo de tudo... Mas nem mesmo a ciência nos torna indiferentes... Chora... Põe pra fora... Não há vergonha no pranto sincero... Toma meus lenços... Minha compreensão... Chora até que toda tristeza vá embora...É depois da chuva que os campos verdes se estendem pela imensidão...

terça-feira, 22 de outubro de 2019

O bode na sala

Primeiro um... Depois outro... E aos poucos a sala foi ficando vazia... O riso raro... Uma crescente nostalgia... De repente fomos todos acometidos pelo complexo da era dourada... as caras apáticas... Gente repleta de mágoa... A alma afogada de tanto choro acuado pelos cantos... E o que um dia foi o fim do mundo... Passou a ser a esperança de um novo tempo... Nunca um bode foi tão bem disposto numa sala!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

O amor que era delas

Elas se viram, se curtiram, se amaram... E depois de muito tempo... Cansaram daquela vida... Se conheceram para além do limite do amor... O sentimento não suporta tantas descobertas... Até a despedida se deu, de certa forma, sem muitas reservas... O difícil foi, passado algum tempo... vê-la de novo com aquele brilho, velho conhecido, nos olhos... E o sorriso fácil que se abria, mas que já não era pela sua presença...

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Meninos mimados e a dó do mundo!

“Eu não sei amar, sempre me apaixono pela pessoa errada”, ele disse... Conheci superficialmente três ou quatro dos seus amores passados... Seu caso era pior do que não saber amar... Ele não sabia ser amado... Ancorava seus sentimentos em uma estranha pena de si mesmo... Buscava no outro uma espécie de devoção... Uma representação de ideal capaz de se sobrepor à própria insegurança... Como uma criança que se perde na praia... Em quem confiar? Nada é apenas o que se apresenta... É preciso sempre mais... Nunca senti pena dele... Por mais que me remetesse a este sentimento, me recuso a sentir pena de meninos mimados... Ouvi seus lamentos na medida limítrofe da minha paciência... Quando, cansada, deixei-o murmurando com as paredes... Que diferença faz a felicidade que se tem pra quem não a reconhece?

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

O melhor presente!

E é quase Natal... Mas esse ano está tão diferente dos outros... O coração está muito grato pelo ano que se passou... Menos ansioso com o que vem pela frente... Tenho um sentimento forte de que esse presente é o lugar exato em que eu gostaria de estar agora... Otimismo à flor da pele... Felicidade... Serenidade... Gratidão... E o meu Natal vem carregado de significados este ano!